Resenha do Livro: O Caderninho de Desafios de Dash & Lily

img_2592d
Título: O Caderninho de Desafios de Dash e Lily
Autores: David Levithan e Rachel Cohn
Editora: Galera Record
Ano: 2016
Páginas: 255
Em “O Caderninho de Desafios de Dash & Lily” acompanhamos essa dupla (Dash e Lyli haha) em uma história um tanto diferente!
Já era esse negócio de conhecer pessoas por meio da internet, o “cool” agora é fazer um caderninho de desafios e esconder na livraria mais caótica da cidade de NY para possivelmente algum dia o seu par perfeito encontrar haha (sério, amei). E foi isso que o irmão de Lily fez.
Lily ama (ama mesmo, muito!) o natal, e jamais ia imaginar que essa brincadeira resultaria em algo, muito menos que isso aconteceria na sua época preferida do ano! E Dash é o garoto que encontra o caderninho.
A partir daí ele aceita os desafios e decide também desafia-la. Os dois então começam uma espécie de jogo e por meio desses desafios vão se conhecendo cada vez mais.

img_2600s

Eu sinceramente amei a história inicial, além de também amar o natal (tanto quanto a Lily!) e confesso que estava muito ansiosa pra saber como funcionavam esses desafios, afinal a cidade não é pequena, certo? Haha Mas o que realmente me fez decidir comprar o livro foi definitivamente a quantidade de críticas positivas que ouvi sobre ele e, é claro, a capa. Por motivos óbvios (maravilhosa!).
Só que infelizmente me decepcionei um pouco com o enredo em geral. A trama proposta é ótima e achei que terminaria o livro super rápido, até porque ele é relativamente pequeno. Mas aconteceu o contrário. Tive uma leitura arrastada e demorei o triplo do tempo que imaginei para termina-lo. A narrativa, pra mim, foi muito cansativa. Vez ou outra a quantidade de detalhes poderia ser significativamente diminuída e tive que reler algumas partes várias vezes na tentativa de aumentar a concentração na leitura, porque realmente não consegui “entrar” na história. Acredito que por ser um romance adolescente, por mais que tenha seus momentos reflexivos e alguns bem engraçados, a história ficou bastante sutil, o que não me provocou muitas emoções.
Mas, por outro lado, posso acrescentar que esse romance não é nada “meloso” (ainda bem!).
Por fim,  entendi que o livro não conseguiu me prender porque não me despertou nenhum sentimento com relação aos personagens. Achei um livro leve, fofo e “bonitinho”, com algumas partes bem interessantes no que diz respeito à reflexão, principalmente quanto ao Dash, que é um rapaz bastante maduro pra idade dele haha.
Então não foi de todo ruim, foi uma leitura “ok”, só não seria um livro que eu indicaria.
Youtube | Instagram | Twitter | WeHeartit | Skoob | Pinterest |Facebook
Anúncios

Resenha dos Livros: Reiniciados, Fragmentada e Despedaçada

img_2585
Título: Reiniciados
Autora: Teri Terry
Editora: Farol Literário

Ano: 2013
Páginas: 430
Essa trilogia ganhou meu coração! Haha. Uma ótima distopia, muito mistério e personagens extremamente cativantes!
No primeiro livro conhecemos um mundo onde todos os criminosos com menos de 16 anos tem suas mentes apagadas e começam do zero, tendo então uma segunda chance na vida em um novo lugar com uma nova família. Essas pessoas são chamadas de Reiniciados e precisam aprender (assim como um bebê) a falar, andar, interagir com outras pessoas e todas as demais coisas da vida. A princípio achei essa ideia ótima, mas com o desenrolar da história comecei a mudar de  opinião haha.
Kyla Davis é uma reiniciada, e aos 16 anos está redescobrindo esse novo mundo tendo sua mente apagada, ela assim como todos os reiniciados, não deveria se lembrar de nada. Entretanto a personagem tem sonhos que se misturam com memórias e acabam surgindo diversos “porquês” em sua mente, começando a se perguntar o que é certo e o que aconteceu no seu passado. O problema é que perguntas são perigosas e principalmente para os reiniciados que não tem o direito da dúvida, afinal já estão recebendo uma segunda chance na vida.
Com o desenrolar da história o leitor começa a perceber que na verdade tem muita coisa mal explicada nesse projeto para reiniciados e que talvez as coisas não sejam bem como parecem ser. O livro é maravilhoso, e o desenrolar da história é ótimo. Temos até um pequeno romance no meio da trama, que ao meu ver não atrapalhou em nenhum aspecto.
Uma personagem secundária que me deixou bastante intrigada foi a mãe de Kyla, que no início, quando não conhecemos nada sobre sua vida, parece ser a maior megera e depois se mostra uma pessoa completamente diferente. Kyla, a protagonista, também é uma ótima personagem e por sinal é bem espertinha, o que me deu certo alívio. Nada de protagonista “sem sal” para essa história, obrigada senhor haha
O final do livro trás mais perguntas do que respostas, e como ainda não comprei a continuação, fiquei um tanto frustrada haha então uma dica é: Compre os três primeiros  livros de uma vez só.
Apesar da quantidade de páginas, ele é um livro com páginas menores que o habitual e com letras grandes, além da leitura super tranquila e fácil. Então o leitor vicia mesmo e acaba mais rápido do que imagina. Eu amei esse livro, até porque eu amo distopias haha sem falar na capa que é linda demais e super obscura, com os olhos verdes da protagonista em destaque, com certeza é uma capa que chama atenção.
Título: Fragmentada
Autora: Teri Terry
Editora: Farol Literário

Ano: 2013
Páginas: 422
    Fragmentada é o segundo livro da trilogia e me decepcionou um pouquinho por ser um tanto “enrolado”. Parece que a autora quis segurar a história pra criar um grande suspense (e funcionou!) mas acabou repetindo demais algumas partes do primeiro livro. O que é, de certa forma, irritante quando você lê um livro após o outro, alucinada na leitura “devorando” a continuação e principalmente querendo respostas haha. Mas se tu ler o primeiro livro e der um tempo até ler o segundo acredito que seja, até que, interessante ter esses “remember” que a autora fez.  O ponto positivo é que essa enrolação realmente criou um clima de suspense agoniante, que faz cada descoberta ser fenomenal!
Acredito que maiores informações sobre o livro teriam spoilers, então o importante é saber que “Fragmentada” é uma espécie de transição para que faça sentido e tenha importância todas as informações obtidas no terceiro livro.
Título: Despedaçada
Autora: Teri Terry
Editora: Farol Literário

Ano: 2014
Páginas: 398
   E esse, foi o meu livro lido mais rápido nesse ano, sério! Devorei essas páginas com toda a minha vontade haha.
Em “Despedaçada” Kyla, a protagonista, teve um desenvolvimento e amadurecimento tão grande que parecem décadas, desde que foi reiniciada. O leitor chega a sentir aquele orgulho por todas as conquistas e descobertas que ela faz sozinha por meio de dedução e análise dos fatos. Algumas revelações, inclusive, eu como leitora nem percebi na hora que passei pela “pista”, talvez por estar submersa demais na leitura deixei escapar, e só percebia a grande sacada que tinha deixado pra trás quando a própria personagem observava o ocorrido.
E é nesse livro que praticamente tudo acontece. No qual descobrimos todos os mistérios e respostas para as milhares de dúvidas que o leitor vai acumulando junto com a protagonista. Os acontecimentos são rápidos e (ainda bem) o ritmo acelera consideravelmente em “Despedaçada”,  mas, ao mesmo tempo, todas as passagens são muito bem desenroladas e não deixam a desejar no quesito detalhes e envolvimento. Na verdade muitas vezes me flagrei até sem ar (literalmente) por conta da história.
Então, ao meu ver não ficou faltando nenhum pedaço da trama, foi tudo muito bem esclarecido e finalizado, a autora realmente pensou em cada detalhe e nos trouxe um final digno dessa trilogia (e nada clichê). Inclusive um pouquinho de clichê teria me feito mais feliz hahaha (nunca me imaginei falando isso) mas o caminho escolhido, foi realmente a melhor conclusão para a história. Se tornou uma das minhas distopias preferidas! Recomendo muito!

Youtube | Instagram | Twitter | WeHeartit | Skoob | Pinterest |Facebook

Meus Livro Nacionais – Autores Brasileiros

livros-nacionais
E aí, gente! Em homenagem ao Dia Nacional do Livro, essa semana teve vídeo especial no canal!
Separei os meus melhores livros nacionais pra indicar pra vocês, aproveitando também pra vocês conhecerem (se já não conhecem) ótimos autores nacionais!
Vem conferir:
Se gostarem, não esqueçam de se inscrever no canal para acompanhar os próximos vídeos, é bem rápido e fácil! Só precisa ter uma conta de e-mail  ou Facebook! INSCREVA-SE AQUI

Youtube | Instagram | Twitter | WeHeartit | Skoob | Pinterest |Facebook

Resenha: Sonhos de umas Férias de Verão

sonhos-de-umas-ferias-de-verao
Título: Sonhos de umas Férias de Verão
Autor: Gustavo Reiz
Editora: Rocco – Jovens Leitores
Ano: 2008
Páginas: 295
Um livro nacional, apaixonante, e totalmente perfeito para ler no verão! Porque será? haha
Conhecemos então o Marcelo, mais conhecido como pitbull, surfista famoso e de personalidade forte. Marcelo e seus três amigos Caio, Carlão e Beto terminaram o ensino médio e estão em busca da férias de verão perfeita. Para isso nada melhor que uma viagem, dessa vez, para o nordeste brasileiro! O destino dos 4: A paradisíaca Praia dos Sonhos. O nome do lugar já diz tudo, não é mesmo?
Nessa viagem eles vivem o que nem poderiam imaginar e cada momento ficará marcado na vida desses amigos. Uma história que parece somente “curtição” mas que, na verdade, conta com muita aventura, romance e principalmente amizade! O relacionamento entre os amigos é muito bem desenvolvido, e o romance não fica atrás.
O autor consegue surpreender e além de introduzir muito humor, trás também emoção à trama, garantindo boas risadas e talvez até lágrimas. Essa é uma história que te faz querer entrar no livro e viver essa férias junto com os personagens. Leitura leve, rápida, descontraída e super divertida! Me encantou.
Youtube | Instagram | Twitter | WeHeartit | Skoob | Pinterest |Facebook

Apenas Um Dia & Apenas Um Ano – RESENHA

img_1624d
Título: Apenas Um Dia
Autora: Gayle Forman
Editora: Novo Conceito

Ano: 2014
Páginas: 382
Título: Apenas Um Ano
Autora: Gayle Forman
Editora: Novo Conceito

Ano: 2015
Páginas: 348
Sabe aquele livro que te prende sem que você perceba? Foi isso que aconteceu comigo em “Apenas Um Dia”!
         Allyson é a protagonista dessa história, e é do tipo de garota que faz tudo certinho, tem tudo sob controle e muito bem planejado. Então assim que acaba o colégio, ela realiza  uma viagem de formatura que ganhou dos pais, uma espécie de excursão/mochilão pela Europa! O sonho de muitos, não é mesmo? Meu inclusive, aí já começa a parte boa do livro haha
Essa viagem é feita com várias pessoas desconhecidas e o mais importante: Junto com sua melhor amiga, que tá doida para finalmente viver alguma aventura, ao contrário de Allyson que não tem expectativa nenhuma sobre aquela viagem.
Porém durante essa “tediosa” excursão (fala sério né) ela conhece Willem, um cara que é completamente o oposto de Allyson. Não, não é um “bad boy” nem nenhum clichê que provavelmente tenha passado pela sua mente. Willem é um ator de teatro sem destino que vive cada dia de uma vez, fazendo o que bem entender, completamente livre e “solto pelo mundo” haha. Então nesse primeiro encontro rola uma química, é lógico.
Mesmo que Allyson pense ter sido sua imaginação, e não dê muita atenção, o destino faz com que os dois se reencontrem no momento em que a viagem de Allyson está prestes a acabar. E Willem a convida para ir com ele à Paris e, consequentemente, adiar um pouco o término desse mochilão (delíciaa!).
Para a surpresa de todos, inclusive da própria Allyson, ela aceita a proposta de visitar Paris por um dia com um completo estranho, pedindo cobertura de sua melhor amiga e  abandonando a excursão.
Nessas 24 horas Allyson vai se reinventar,  vai assumir riscos e de fato finalmente viver!

“As vezes, para nos encontrarmos, precisamos nos perder primeiro”

         Primeiro que já me identifiquei com a personagem sistemática que é Allyson. Adoro um bom planejamento, me julguem haha e também adoro uma boa aventura!
A autora conseguiu transparecer todas as sensações da personagem ao fazer algo tão arriscado e se jogar de cabeça pelas ruas de Paris. O medo, o desespero, a adrenalina, felicidade e realização foram alguns dos sentimentos que compartilhei com Allyson ao decorrer da história. Claro que o fato de boa parte do livro se passar pela Europa já me conquistou, mas mais ainda quando percebi que o livro não se tratava de apenas um dia, como imaginei que seria, a história se aprofunda muito mais, e quando você percebe está vivendo tudo aquilo junto com Allyson! Contar o que acontece durante e após esse dia seria um tremendo spoiler, então acho justo vocês lerem para descobrir.
Uma personagem que me irritou (sempre tem alguma personagem que me irrita hahaha) foi a melhor amiga de Allyson. Posso dizer que o desenvolvimento dos personagens na história é gigante e completamente visível. E em determinado momento da trama, essa em particular me deixou muito surpresa com sua nova identidade e um tanto decepcionada. Como eu disse, me envolvo demais na história hahaha.
Me surpreendi bastante por gostar tanto desse livro, porque de uma leitura um pouco arrastada passei a devorar todas as páginas e sinceramente não sei em que momento isso aconteceu (bizarro). O que me fez querer/precisar ler o segundo livro assim que finalizei “Apenas Um Dia”.
Então em “Apenas Um Ano” foi narrada a “mesma história”, mas do ponto de vista de Willem. Se você ainda não leu “Apenas Um Dia” não leia o próximo parágrafo porque agora tem spoiler, ok? Avisei hein. 
      Em “Apenas Um Ano” conseguimos saber tudo o que aconteceu com Willem durante aquele ano que os dois passaram separados. Já que em “Apenas um Dia” só tivemos o ponto de vista de Allyson. Finalmente descobrimos todos os detalhes desse misterioso desaparecimento de Willem, e o que ele fez após a partida de Allyson. Confesso que eu esperava mais desse segundo livro. Talvez porque o que eu mais queria mesmo era saber o que acontecia depois do final de “Apenas um Dia”, no caso, eu esperava uma continuação, quando na verdade não foi essa a proposta do livro. Me frustrei um pouco, mas tudo bem, eu sabia que corria esse risco haha. De qualquer forma o personagem foi muito bem desenvolvido e com certeza valeu a leitura!
         As duas leituras são de certa forma leves. Além do romance, ambos os livros também tratam muito de problemas familiares  e crise de identidade. São livros pra refletir sobre quem realmente somos e quem gostaríamos de ser, se estamos vivendo de forma plena e completa, aproveitando tudo o que a vida tem para nos oferecer ou se só estamos seguindo planos impostos por alguém.
Recomendo muito pra quem gosta de um bom romance, nada “água com açúcar” haha. Espero que tenham curtido e me contem o que vocês acharam desses livros!

Youtube | Instagram | Twitter | WeHeartit | Skoob | Pinterest |Facebook